quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Marco Feliciano foi acusado de estupro? veja a verdade. VÍDEO


blog Coluna Esplanada, que faz parte do portal UOL, trouxe uma “matéria bomba”, assinada pelo jornalista Leandro Mazzini nesta terça-feira (8). Utilizando prints de conversas pelo WhatsApp e fazendo um relato detalhado, acusa o deputado pastor Marco Feliciano (PSC/SP) de estupro.
Sem dar o nome, cita que uma estudante de Brasília, de 22 anos, e filiada ao partido do pastor, seria vítima de assédio sexual, agressão grave e tentativa de estupro. O repórter afirma possuir provas e cita como testemunhas da denúncia o advogado da Coluna e Emerson Biazon, assessor do PRB, partido que está coligado com o PSC em São Paulo nesta eleição.
Ainda segundo a Coluna, o episódio da agressão teria ocorrido no apartamento funcional do deputado, em Brasília, em 15 de junho. Uma mulher não identificada teria ouvidos gritos e bateu na porta da residência para verificar se estava tudo em ordem.
O texto de Mazzino fala sobre “um soco na boca e puxões pelo braço”, além de uma proposta para a jovem ser amante do deputado, recebendo para isso um alto salário e cargo comissionado no PSC.
“Num encontro há semanas, segundo ela relata, ele pegou o seu celular à força e apagou todas as mensagens entre eles, mas a jovem conseguiu resgatá-las no ICloud de seu computador”, diz a matéria.
Os prints publicados pelo site, que estão se espalhando pela internet e já foram noticiados por outros sites, mostram uma conversa.

A Coluna sublinha que assessores do PSC confirmaram que o número realmente pertenceu ao pastor, mas não era mais usado por ele.



Embora o UOL fale que a jovem “sumiu do radar”, ela continua publicando nas redes sociais fotos suas e do namorado. Inclusive, gravou um vídeo onde desmente as acusações e pede que não se espalhe o “boato”. Ela se identifica como Patrícia Lélis, informação que Leandro Mazzini não deu.






Em nota, o pastor Marco Feliciano está pedindo orações, pois lembra que “já me acusaram de tudo: homofóbico, racista, homossexual, misógino é só faltava estuprador. Ou quem sabe ainda terrorista, porque assassino já me chamaram também”.
Deixou claro que encaminhou o caso às autoridades competentes: “Informo ao Jornalista Leandro Mazzini, que desconheço tais acusações e as referidas mensagens postadas. Conheço a jovem por meio de sua participação no PSC, e pela militância contra o aborto e contra a esquerda, de igual forma que conheço tantos outros jovens ao meu redor. Tenho uma honra ilibada e tais acusações são descabidas. Não quero acreditar que seja mais uma tentativa da imprensa de me expor negativamente, por algo que não fiz e não sou. Respeito minha família, o povo brasileiro e principalmente minha fé! E peço que assim o façam! Assim eu encerro tal assunto, deixando nas mãos das autoridades”, encerrou

Jovem muçulmana é ressuscitada por Jesus e agora prega o evangelho


A jovem Ramza nasceu em uma típica família muçulmana, no Oriente Médio. Usava sempre vestidos longos, além do lenço que cobria toda a cabeça e parte da face. Seu pai tinha três esposas e 13 filhos. Era um empresário que oferecia uma vida confortável para os seus.

“Sempre fui uma garota religiosa na infância”, contou ela à Missão Bíblias para o Oriente Médio. “Estava sempre disposta a praticar o islamismo, recitar o Alcorão, fazer as orações cinco vezes por dia, e o jejum durante o Ramadã”.
Após Ramza concluir seus estudos no ensino médio, ouviu de uma ex-colega de escola sobre Jesus Cristo. “Ela era filha de um pastor e agora trabalhava com a missão Bíblias para o Oriente Médio. Mas eu nunca aceitei sua mensagem nem seus argumentos. Mesmo assim, ela me deu um livreto com porções do evangelho”, conta a adolescente. Por curiosidade acabou lendo, mas não acreditou.
Seus planos incluíam continuar os estudos e ir para uma faculdade. Contudo, seu pai propôs que ela aceitasse o pedido de casamento de um homem rico da região. Ele era muito mais velho, já tinha três esposas e vários filhos.
Ramza ficou apavorada com essa possibilidade, especialmente quando percebeu que era mais jovem que o filho caçula daquele homem. Uma noite, pediu para falar com seu pai. “Eu implorei para ele não arranjar meu casamento, que me deixasse prosseguir com meus estudos. Meu pai negou o meu pedido, não quis me escutar”, lembra.
Chorosa e assustada, Ramza ameaçou fugir de casa antes do casamento. Isso enfureceu seu pai, que não admitia ter sua autoridade questionada. O homem pegou uma cadeira e golpeou a filha na cabeça. A jovem desabou no chão, derramando muito sangue. Seu pai e uma das madrastas ficaram chocados quando tentaram reanima-la e perceberam que ela estava morta.
Temerosos que alguém descobrisse o crime, amarraram o corpo da menina em um grande saco plástico e o colocaram no porta-malas do carro. Viajaram muitos quilômetros deserto adentro, até chegarem a uma plantação de tâmaras. Ali havia um poço seco, onde o Ramza foi jogada.
Ela não sabe dizer como, mas tinha a consciência que a sua alma estava indo para o inferno, um lugar terrível, de trevas. Sentia uma grande sede, mas não era de água como nós conhecemos.
Voltou-lhe a mente o momento que a amiga lhe ofereceu o Evangelho. Ela tentou esticar os braços, numa tentativa de segurá-lo, pois tinha a sensação que se pudesse fazer isso, sua alma encontraria descanso “em um lindo jardim”.
Quando seu corpo sem vida jazia naquele buraco no deserto, algo incrível aconteceu. Ela viu “um homem forte, saudável e belo” em pé, no fundo do poço. Assegura que ele começou a desamarrá-la, colocou as mãos na sua cabeça e nas costas. A vida voltou ao seu corpo físico.
“Abri meus olhos como quem acorda de um sonho. Eu vi as marcas dos pregos em suas mãos. Imediatamente soube que era Jesus”, comemora. A jovem creu que Ele realmente era o Filho de Deus. Ramza afirma que ouviu dele: “Eu sou a ressurreição e a vida; aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”, versículo que está em João 11:25.
Em seguida, afirma que Jesus pegou a tomou em seus braços e a levou para fora do poço. Ela lembrou da mensagem de sua amiga e, entre lágrimas, afirmou: “Jesus, você é meu Senhor e Salvador. Foi crucificado e morreu por mim. Verdadeiramente ressuscitou. Eu sou tua”. Quando levantou a cabeça para olhar novamente para ele, não havia mais ninguém lá.
Em uma aldeia próxima vivia um pastor com a esposa. Ele recebeu uma visão onde o Senhor lhe disse: “Levante e vá até a plantação de tâmaras onde irá encontrar uma jovem que precisa de ajuda”.
Naquela altura, Ramza não sabia o que fazer nem para onde ir. “Mas eu estava tão feliz. Estava louvando e agradecendo ao Senhor Jesus. Dentro de alguns minutos, um casal veio até mim. Eles diziam ser cristãos e que o Senhor Jesus os guiou até mim”, relata.
Ela contou sua experiência dramática com eles. A adolescente foi levada para uma fazenda onde ela poderia morar com outras cinco mulheres. Ganhou uma Bíblia e começou a aprender mais sobre Deus. Recuperada, ela passou a ajudar nas tarefas cotidianas do lufar.
Sustenta que não deseja voltar para casa, mas que está orando pelos membros de sua família, bem como “por todas as pessoas do Oriente Médio, para que sejam salvos”. Seu desejo agora é continuar espalhando o evangelho, servindo ao Senhor que a salvou. Com informações de Bibles for Mideast

Pastor Marcos Pereira é absolvido, Vídeo


O pastor Marcos Pereira, da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD), no Rio de Janeiro, usou as redes sociais para comemorar a decisão final dos processos contra ele, que incluíam acusações de associação ao tráfico e tráfico de drogas.
Em vídeo postado no Facebook, ele reclama que a mídia não está divulgando a decisão do desembargador Sidney Rosa da Silva, assinada em 26 de julho, que o inocenta após julgamento do recurso.
Na verdade, ele fora absolvido em primeira instância, mas o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro recorreu. O pastor ficou cerca de 18 meses preso, mas agora, após a apelação de sua defesa, ele foi inocentado por unanimidade.
“Venho mostrar a minha vitória recebida esta semana, provando que nem uma arma forjada prevalecerá contra os servos de Deus”, escreveu ele no texto da postagem. “Deus é o justo juiz; e ele nos justifica diante dos homens, para mostrar que ele é com seus servos”, comemorou
No vídeo, ele exibe o documento e faz questão de enfatizar: “pela justiça de Deus e pela justiça dos homens eu sou um homem inocente”.

sábado, 30 de julho de 2016

Morre pastor Cesino Bernardino


Faleceu hoje, sábado 30, às 13h20min, o pastor Cesino Bernardino, presidente dos Gideões Missionários da Última Hora e da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Camboriú - SC.
O funeral será no pavilhão dos Gideões Missionários e o sepultamento será na segunda-feira, dia 01/ago.
Partiu para estar com nosso Senhor Jesus Cristo. Toda a família, ministério, funcionários e missionários dos GMUH estão de luto. Contamos com vossas orações.
‪#‎blogdoassembleianofervoroso‬